Projectos

Contactos

Largo da Princesa 26, 3º esq/dto

1400-303, Lisboa, Portugal

geral@miguelarruda.com +351 213 021 858 +351 213 021 863
  • Iconic Awards
  • Ano

    2014

  • Local

    Vila Franca de Xira

Intro

A construção da nova Biblioteca Municipal surge integrada num programa de intervenção que a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e parceiros desta acção de desenvolvimento, pretendem levar a efeito na antiga fábrica de Descasque do Arroz e zona envolvente.

Neste exercício de Desenvolvimento do Concelho estará previsto o investimento comercial e Imobiliário, a continuação da requalificação Frente Ribeirinha (onde se inclui o prolongamento da ciclovia já existente a Poente), a criação de áreas de Lazer, a nova Biblioteca Municipal e o desenvolvimento de acessos rodoviários e pedonais.

A evolução do “Conceito de Biblioteca” está intimamente ligada à evolução do seu tempo. É portanto certo que o conceito que tentamos encontrar estará a prazo igualmente ultrapassado, sendo que a solução terá de ser necessariamente capaz de absorver essa flutuação ou evolução na relação com a palavra escrita, lida e representada, perseguindo dessa forma ao real interesse da obra.

Aos conceitos iniciais de biblioteca definidos pelos pressupostos da Conservação, Organização e Difusão, Fulkner-Brown enunciou em meados do Século XX, sete princípios que devem estar contemplados na origem do programa conceptual da Arquitectura de uma biblioteca: – Acessibilidade, Visibilidade, Articulação, Capacidade Evolutiva, Flexibilidade, Segurança e Sustentabilidade.

No caso em estudo outros factores devem contribuir decisivamente para a correcta inserção urbana de uma peça de equipamento desta dimensão e importância, absorvendo alinhamentos da malha urbana e “abrindo” e orientando a vista de rio numa tentativa de descomprimir a pequena praça com que convive.

Esta “descompressão” pode, nesta leitura, acontecer com a associação de um vazio vertical organizador dessa praça, servindo de espaço interior aglutinador, de movimento, encontro e diversidade que comunicará de forma poderosa com a cidade, anunciando e demonstrando cabalmente uma nova forma de vivenciar o espaço da biblioteca, constituindo-se como uma “landmark” a nível urbano e territorial.

Em suma, este objecto urbano de grande escala deve servir a sua função primeira mas, ter neste vazio vertical excêntrico a chave para comunicar; para o exterior enquanto montra e ecrã do seu conteúdo, para o interior enquanto palco de encontro e relações que reforça a dimensão colectiva que caracteriza a biblioteca actual, procurando projectar o invólucro do edifício como um elemento dinâmico de mediação entre o ambiente externo e interno.

Próximo
This site is registered on wpml.org as a development site.